terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Community - S03E10 - Regional Holiday Music


Dessa vez, Community vem tirar sarro de Glee, série de televisão musical que vem fazendo muito sucesso com o povo adolescente. Roteiro bem previsível, mas como paródias sempre funcionam comigo, achei bem divertido!

FELIZ NATAL!



quinta-feira, 24 de novembro de 2011

How I Met Your Mother

Kids...


... Vou contar uma história de como eu conheci essa série. A primeira vez que ouvi falar dela foi em uma notícia em que se comentava a participação especial de uma cantora que, na época, estava em plena decadência: Britney Spears. Isso foi em 2008! O episódio teve 10,6 milhões de telespectadores, a maior audiência até aquele momento. E assim "How I Mer Your Mother" foi crescendo e adquirindo mais fãs... Contudo, o ocorrido não foi suficiente para me fazer interessar pela série. Mas - pelo menos - chamou-me atenção...

O ano de 2011 chegou. Friends existia apenas na memória e em reprises. Faltava em minha rotina uma série de "amigos", algo para descontrair e dar boas risadas. Por conta própria fui pesquisar... E no que me deparo? "How I Met Your Mother" estava em sua 7a temporada! Para mim, isso era um indício de sucesso: poucos seriados conseguem chegar a essa quantidade de temporadas na TV americana.

O seriado conta a história do arquiteto Theodore "Ted" Mosby. Os eventos são mostrados em flashback, enquanto Ted conta para seus filhos como conheceu sua amada esposa. Personagens carismáticos, com personalidades consistentes e caricatas, são um dos pontos fortes da série. A história contada de "trás para frente", totalmente baseada nas memórias do protagonista, torna as coisas bem interessantes. Um exemplo disso é num episódio em que Ted esquece o nome de uma antiga namorada e esta fica sendo chamada de "Blá".

Apesar de uma primeira temporada fraquinha e alguns altos e baixos, recomendo a todos que curtem um bom sitcom. Futuramente postarei algo sobre cada personagem! Um abraço!


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Zooey can't say penis

A série começou fraquinha, mas essa cena valeu por todo o episódio. Dando os devidos créditos ao original de "A Pantera Cor-de-Rosa" com Steve Martin tentando falar Hambúrguer, que também é hilário.

Enjoy!


@marinalordelo

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Once Upon a Time - S01E01



A emissora americana ABC lançou no mês passado "Once Upon a Time", estrelado por Jennifer Morrison, mais conhecida como a carismática Dra. Cameron da série "House". Os criadores Adam Horowitz e Edward Kitsis foram roteiristas de vários episódios de "Lost", fato que me deixou inclinado a dar uma espiada nesse episódio piloto.
Resumindo a premissa sem dar muitos spoilers (viu, @peregrinc?), Emma Swan (Jennifer Morrison) se vê presa em uma cidadezinha no Maine (#StephenKingFeelings) chamada Storybrooke, onde aparentemente vivem os clássicos personagens dos contos de fadas em nosso mundo real.

Misturar personagens clássicos com nossa realidade, numa pegada mais sombria, foi a base de um  quadrinho chamado Fables (Fábulas, 2002), que fala sobre o êxodo desses seres para nosso plano, devido ao domínio do mundo da fantasia por um ser chamado "O Adversário". A princípio, quando soube da existência desse seriado, pensei que a trama seria muito similar. Contudo tive uma grata satisfação quando, ao longo do episódio, algo original foi se formando na tela.

Então foi tão bom assim? Gostaria de dizer que sim, mas infelizmente os efeitos especiais limitados me incomodaram bastante. O mundo da fantasia não me agradou, dando uma impressão que o orçamento não foi suficiente para a grandiosidade proposta pelo roteiro.

Posso estar louco, mas fiquei curioso. Vou continuar assistindo mais alguns episódios para saber onde tudo isso vai dar. Quem sabe em um final feliz?





segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Episódios de Halloween

Eu particularmente gosto muito dos episódios de Halloween, especialmente em séries de comédia. Geralmente as dramáticas não focam no tema, apenas usam o motivo como coadjuvante.

Alguns seriados capricharam nos sustos (como o último episódio de TBBT) - mas não se preocupem, não darei spoilers!


Separei alguns momentos nostalgia, outros nem tanto, para relembrarmos os momentos "Dia das bruxas" das séries favoritas:

Friends: “The One with the Halloween Party” S08E06
- Episódio onde Mônica faz uma festinha em comemoração ao Halloween, Rachel descobre que não tem jeito com crianças, Phoebe conhece o namorado enganado de Úrsula, Ross se fantasia de algo que ninguém identifica, Chandler acentua seu lado feminino vestindo-se de coelho rosa e Joey - é claro - se fantasia de Chandler (sensacional!):



The Office: “Halloween” S02E05

Neste episódio o legal é curtir a criatividade dos personagens em criar as fantasias mais inusitadas, vide Michael Scott. Porém Creed é o grande vencedor:



Modern Family: “Halloween” S02E06

Tudo dá errado, mas a proposta de Phill e Claire em assustar as crianças com uma peça super elaborada é original. No final funciona, assusta e agrada:



Community: “Epidemiology” S02E06

A segunda temporada desenvolve um episódio muito superior à terceira, criando o ambiente de infestação de zumbis!!!


TBBT: “The Halloween Party” S01E06

Finalizando, o clássico da 1a temporada de TBBT, onde todos se vestem de The Flash e após uma DR resolvem mudar de fantasia. A mais original? "Efeito Doppler", obviamente de Sheldon Cooper:




Relembrei algumas poucas! Alguém mais??

Comentem a vontade,

@marinalordelo

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

The Walking Dead - S02E1


= ALERTA : SPOILERS DA PRIMEIRA TEMPORADA =

A nova temporada de "The Walking Dead" começou devagar, procurando ainda sua própria identidade. Baseado nos quadrinhos de Robert Kirkman (que também é produtor executivo da série), os roteiristas optaram por introduzir tramas inéditas, seguindo um caminho um pouco diferente do material original. Isso é bom e também ruim.


BOM? Quem conhece a história em quadrinhos sabe que a proposta é deixar o leitor angustiado, imerso numa jornada de rumo incerto, em que o objetivo principal é a sobrevivência. Neste caso, o telespectador se depara com novas situações, como a cena fantástica da fuga para dentro do tanque de guerra e quando Glenn se empolga dirigindo aquele carro esporte. 

RUIM? Uma outra causa de angústia nos quadrinhos é não saber quem vai sobreviver. Robert Kirkman não tem medo de se desfazer de seus personagens, seja por alguma morte inesperada ou simplesmente porque o personagem ficou para trás ou decidiu seguir um outro caminho. Já no seriado, na primeira temporada, parece que os roteiristas estavam com medo da reação do público. Algumas mortes foram inevitáveis, mas sempre de personagens pouco importantes.

A segunda temporada tem a missão de manter a audiência da primeira, mas só conseguirá se obtiver um ritmo mais acertado. O primeiro episódio discorreu de maneira arrastada, principalmente na segunda metade. Tudo bem que os zumbis não correm, mas se o roteiro não for mais dinâmico, isso pode afetar o futuro da série.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Terra Nova s01e01-e02


Terra Nova é a "nova" série produzida por Spilberg que traz um tema já bem associado a este diretor: Dinossauros.

A idéia é até original: num futuro não muito distante, a Terra está altamente poluída e bem decadente, os seres humanos vivem em um pesadelo. Mas acidentalmente cientistas descobriram uma fenda espaço-temporal (ou algo parecido) para 35 milhões de anos no passado, onde o planeta ainda era verde e próspero. Então iniciaram-se peregrinações a este tempo, para Terra Nova, a colônia humana no passado.

A trama gira em torno de uma família cujo pai era policial, mas por infrigir a lei de controle populacional (só é permitido ter dois filhos e o casal tinha três) e agredir policiais acabou sendo preso. Com a convocação da família para ir a Terra Nova, conseguiu escapar da prisão e ir junto com a familia para esta nova vida.

Sinceramente, a idéia é boa. As interações entre a tecnologia futurista e a biologia de milhões de anos atrás é bem interessante, assim como os mistérios levantados na série, como o outro grupo de refugiados (os "Sixers") e os esquisitos hieroglifos nas cachoeiras.

Mas mesmo assim, a série ainda não engrenou por alguns problemas. O primordial: o roteiro. As premissas são boas, mas muito mal executadas. Os personagens são rasos, as tramas são comuns, não há nada de "novo" nesta Terra Nova. Os efeitos também não ajudam. Os dinossauros são CG pura e fica muito claro. É um pouco decepcionante pois após 20 anos de Jurassic Park, vemos Spilberg de novo com dinossauros e esperamos algo parecido ou melhor. E recebemos algo bem piorado.

Apesar de tudo acho que ainda há salvação, ao aprofundar mais nos personagens, melhorar a trama, colocar um suspense a mais, a série pode vingar, mas se continuar como começou acho difícil se sustentar.

Comentem a vontade.

@peregrinc

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Fringe s04e01-e04


Nova temporada e, tudo novo de novo.

Antes de começar a comentar sobre os quatro primeiros episódios da quarta temporada de Fringe (os quatro da quarta) preciso avisar que "Habemos Spoilers" da terceira temporada e, por que não, destes primeiros episódios. Então, só leiam se já assitiram. Ou se gostarem de spoilers como nosso novo colaborador @rodolfojcn, continuem por aqui.

Bem, como já havia comentado aqui a terceira temporada fechou quase todas as pontas, menos a função/história dos Observadores. E o início da quarta temporada não focou nisso, focou no novo status quo do mundo sem Peter Bishop, o que foi uma mudança bastante interessante, pois sem mudar nenhum personagem, mudou-se toda a rotina da série, Walter não sai do laboratório, a companhia de Olivia em campo é Astrid, Olivia pode ter um relacionamento amoroso novo, a entrada do Lincoln Lee do universo original na equipe Fringe, ou seja, muita coisa mudou, e a todo momento nos perguntamos o que mais pode ter mudado, ou, como a saída de Peter deste universo pode ter afetado as decisões neste mundo.



Nesta nova realidade, Peter morreu na queda no lago Reiden, então o Observador nunca interferiu neste momento. O que leva a novas questões: se o observador (ou os observadores) queria(m) modificar esta ação, por que não puderam apagar Peter em qualquer momento anterior, por que tinham que esperar a criação da interseção dos universos no final da terceira temporada ? Neste caso, Walter nunca conheceu os observadores ? Por que Peter não desapareceu completamente ?

Estes quatro primeiros episódios foram muito bons, mostrando estas novas situações na realidade Peter-free, mas no fim do quarto episódio, temos o primeiro ponto de mudança do andamento da quarta temporada onde, acho, que iremos começar a ir atrás dos observadores, para saber qual a real influência deles no nosso mundo.

Fringe promete muito nesta quarta temporada.

Comentem a vontade,

@peregrinc

PS. Quem achou estranho Nina Sharp saber detalhes da formatura de Olivia no quarto episódio ? Aparentemente, elas têm uma relação mais profunda nesta nova realidade.

Person of Interest - S01E01 - Episódio Piloto



ELES SABEM TUDO SOBRE VOCÊ...


... O QUE VOCÊ SABE SOBRE ELES?


Estreiou em 22 de setembro deste ano o seriado "Person of Interest", estrelado por nada menos que Jim Caviezel ("O Conde de Monte Cristo", "Paixão de Cristo") e Michael Emerson ("Lost"), além de ter como produtor executivo J. J. Abrams ("Lost", "Star Trek") e como criador da série, Jonathan Nolan, irmão de Christopher Nolan, com quem escreveu os filmes "Batman - O Cavaleiro das Trevas" e "Amnésia".

John Reese é um ex-agente da CIA dado como morto, que é contratado por um homem misterioso chamado Harold Finch, que aparentemente tem informações privilegiadas. Sua missão: impedir crimes violentos antes que eles sejam cometidos.

O primeiro episódio tem um bom ritmo e não se resume apenas a apresentar os personagens. Inclui a história da advogada Diane Hanson que, ao que tudo indica, pode ter um desfecho fatal se alguém não tomar alguma providência. A trama inclui muita espionagem com uma boa dosagem de ação. O velho artifício do "flashback" é usado, mostrando fragmentos do passado de Reese, sem expô-lo completamente: um elemento que vai ser compartilhado homeopaticamente com o telespectador ao longo da temporada.

Não diria que o episódio piloto foi sensacional, mas diverte, talvez pela boa atuação da dupla. Agora é aguardar pra ver se "Person of Interest" cai no "interesse" do público!



segunda-feira, 17 de outubro de 2011

New Girl S01E01-03


New Girl é estrelada pela fofíssima Zooey Deschanel (de 500 dias com ela) no papel de Jess, que depois de uma desilusão amorosa resolve dividir um apartamento com 3 rapazes: o irreverente Schimidt (Max Greenfield), o desiludido Nick (Jake M. Johnson) e o ainda indefinido Winston (Lamorne Morris), substituição de última hora ao personagem "Coach" (Damon Waynes Jr.) que a meu ver, era mais interessante, representando o contraponto durão do elenco.
O episódio piloto é bem construído, apresenta elementos que definem a protagonista - o ridículo engraçado explorado no chefe mais inusitado da TV, Michael Scott. Jess é uma menina cativante, que faz coisas sem sentido (como cantar frases aleatórias no meio de um diálogo), dançar em ambientes não propícios, usar dentaduras bizarras em casamentos, e é do tipo que chora facilmente com Dirt Dancing: a vergonha alheia que funciona e faz rir.
Elementos que incrementam a personagem são as roupas super cutes acompanhada da voz nada sensual de Zooey!
Essa combinação de elementos torna a série interessante, com SÉRIAS ressalvas à chance de ficar muito caricata, caindo nos clichês de apenas 1 personagem. Vou apostar no amadurecimento dos rapazes e torcer para que ela não se apaixone por nenhum deles, senão vira Friends.

Confira o Trailer da série:



@marinalordelo

sábado, 15 de outubro de 2011

Community - s03e04 - Remedial Chaos Theory





Teoria do Caos Remediável. Sentiu o "deja vú"? Sim, você já viu isso antes.


Lembro da primeira vez que vi esse tema sendo explorado: Corra, Lola, Corra (1998). Esse filme alemão me deixou estarrecido de como cada pequena decisão de nosso prosaico cotidiano pode trazer consequências irreversíveis em nossa existência. Não sei se foi o primeiro filme a explorar o assunto -  provavelmente não - contudo seu roteiro bem construído e suas cenas "video-clipianas" me deixaram alucinado, sem respirar!

Posteriormente, veio "Efeito Borboleta" (2004), com seu título fazendo referência exatamente a teoria do caos: "o bater de asas de uma borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas, provocando possivelmente um tufão do outro lado do mundo". O filme, apesar da levada mais hollywoodiana e fantasiosa (porém não menos genial), apresenta uma teia confusa de decisões, resultando sempre em resultados muito pouco previsíveis.

Agora imagine essa teoria funcionando no grupo de estudo mais caótico da TV. Troy e Abed finalmente decidem morar juntos e convidam a turma pra conhecer o novo apartamento. E, ao começarem a jogar Yahtzee, a pizza chega. Quem vai buscar? Ora, vamos sortear no dado!

"Jeff, assim você vai criar seis diferentes linhas temporais!" - diz Abed.

Um dado, seis lados, sete possibilidades (sete?). O que parecia mais um episódio engraçadíssimo de Community, evoluiu para um episódio engraçadíssimo de Além da Imaginação. Community continua não decepcionando e se mantém como uma das séries cômicas mais incríveis do momento!





segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Community - uma série de vanguarda

Community é um seriado que chegou com uma proposta diferente do que a comédia estadunidense está acostumada a fazer. Além das críticas sociais (já exploradas em 30 Rock), dos jargões cientificistas (encontrados em TBBT), da abordagem simples e conquistadora da sexualidade (de Modern Family) e até mesmo as questões de lideranças fracassadas e reuniões sem fundamentos (como em The Office), Community valoriza o bom trabalho dos roteiristas de sua equipe, explorando as nuances de outros filmes, diretores famosos, estilos e gêneros. As vezes de forma discreta (com elementos bem nerds de Star Wars, por exemplo), as vezes de forma escancarada (no episódio sobre a obra de Tarantino, ou no de Sci-Fi), a série motiva o espectador a buscar os clichês escondidos nos episódios - garantindo a risada mesmo que tardia.




Na S03E03 "Competitive Ecology" a estória que mais atrai é a secundária: impagável ver o Sr. Chang dentro de um seriado policial, não? A narrativa subjetiva da mente (de Dexter) está presente satirizando a forma de pensar, afinal, ninguém filosofa o tempo inteiro! é mais um episódio recheado de metalinguagens!




Community é uma série de proposta interessante. Vale a pena assistir, mas tem que ser do começo! A construção de cada personagem é fundamental na compreensão da história e garante muito mais a diversão, é claro!

@marinalordelo

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Por que eu assisto 90210 ?



Bem, desde que iniciamos este blog, já imaginava fazer algum post sobre 90210. Mas nunca via nada para escrever. Até porque não sei se alguém leria. Sempre quando dizia que assistia, todos me sacaneavam, e então eu comecei a tentar justificar e não consegui. A pergunta do título do post me atormenta: Por que eu assisto 90210?

Vamos começar do começo: a trama. Bem vamos lá, a trama é fraca, e o drama é além dos limites. Primeiro, como pode uma mesma pessoa passar por gravidez na adolescência, usuária de drogas, virar lésbica (e desistir), virar pop star e logo depois ser execrada na mídia, e, no final, até tentar se matar ? (Não pouparei spoilers neste desabafo) Isso tudo o mesmo personagem. Os outros 7 ou 8 principais não fogem a regra. Adolescência em Bervely Hills é f*da. Não dá tempo de se aprofundar na trama, pois da mesma forma que o conflito aparece, ele se resolve (ou não) e o personagem já está em outro conflito. AIDS, câncer terminal, adoção, vício em jogatina, distúrbio bipolar, estupro, pense em um conflito e ele já apareceu nas três temporadas de 90210. Sem falar que é um pega-pega geral. Todo mundo pega todo mundo, se apaixonam e se separam mais rápido do que trocam roupa.

Então vamos para outro tópico, a atuação. Fraca toda vida. A atriz principal, que interpreta Annie, é muito ruim. Péssima. Não entendo como a pior atriz é escolhida pro papel de protagonista, mas é o estilo de 90210.

Pelo menos as paisagens são muito bonitas, principalmente em HD.

Bem, ainda não consegui chegar a nenhuma conclusão. Penso que pode ser por nostalgia. Eu gostava muito do Barrados no Baile na minha adolescência, Brandon, Brenda, Steve, Dillan, Kelly, Donna, Andrea, David. Tentando fazer um paralelo, eles tinham os mesmo problemas deste novo, mas na minha cabeça, as coisas aconteciam mais devagar. Mas talvez seja a questão da idade, hoje, eu espero um maior aprofundamento dos temas, que não esperava naquela época.

Um outro motivo é que é uma diversão descompromissada. Apesar de todos os problemas, eles não ficam se remoendo por dentro, nem pensando muito, é tudo no vamo-que-vamo, estilo deixa a vida me levar. Por piores que sejam os problemas, no próximo episódio todos já superaram e estão em outra. E isso é o oposto de Dawson's Creek, que eu também assistia e reclamava muito das indecisões de Dawson - pra mim o personagem mais chato da história da TV americana.

Bem, conclusão não cheguei a nenhuma, só tenho uma certeza: a quarta temporada vem aí, e já estou na expectativa !!!

@peregrinc

PS. Diz @marinalordelo que não gosta, mas está sempre ali. Acho realmente que ela não faria tanta questão se eu não assistisse. Mas no final assiste, até para me sacanear e dizer "só você gosta disso".

Comentem a vontade.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Game Of Thrones S01


Winter is coming...

...e nosso post também! Assim que acabar a 1a temporada (que terá nada mais que 10 episódios), nós vamos fazer a nossa resenha-crítica sobre a série!

Nossas impressões sobre os atores escolhidos, a história de peso, a fotografia belíssima, a apelação da HBO, a direção imponente e muito mais, em breve, aqui, no casal em série.

Corra, coloque uma agasalho, faça um chocolate quente, assista aos episódios e venha comentar!

Até breve,

@marinalordelo
@peregrinc

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Fringe - Observadores

Eis uma pequena prévia de que eles realmente aparecem em cada episódio:


S03E22 -The Day We Died



S03E21 - The Last Sam Weiss



S03E20 - 6:02 AM EST


S03E19 - LSD


S03E15 - Subject 13


As imagens foram retiradas do site: fringepedia.net é só fuçar!
Lá você pode encontrar mais informações sobre Fringe e os observadores.

@marinalordelo


domingo, 8 de maio de 2011

Fringe s03e21/s22 - "The Last Sam Weiss" / "The Day We Died"

Resolvemos escrever sobre os dois últimos capítulos da terceira temporada de Fringe em um único post, já que eram a mesma história. Trataram de fechar muitas pontas soltas da série e, em seu final, nos deixar com novas e angustiantes dúvidas para a próxima, e esperada, temporada.

No primeiro episódio do final, "The Last Sam Weiss" finalmente descobrimos a história de Sam Weiss, o cara do boliche. E não posso deixar de dizer que foi um pouco frustante a revelação. Uma família que usa o mesmo nome durante várias gerações e que escreveu o livro "As Primeiras Pessoas" baseado em alguns manuscritos, foi meio fácil demais. E como Sam soube como ajudar Olivia quando ela voltou de sua primeira viagem inter-dimensional ? Acho que ficaremos sem saber.

Apesar disso, o episódio foi bom, a descoberta que Olivia faz parte do funcionamento da máquina é interessante, mas também dá esta impressão da solução mais fácil. Até nos depararmos com a verdade sobre a máquina no último episódio, que costura toda esta história de maneira sensacional.

O final do primeiro episódio leva diretamente ao segundo. A mente de Peter é jogada no futuro e descobrimos várias conseqüências da utilização da máquina, o mundo do Walternativo destruído, a equipe Fringe do universo normal tendo muito trabalho, e a inevitável destruição do nosso universo.

O destino de Olivia Dunham no futuro, leva Walter a ter a idéia que costura todo o seriado. Finalmente a explicação sobre a máquina, porque Peter e Olivia são essenciais para sua utilização e quem são as primeiras pessoas. Basicamente após esta explicação quase todos os mistérios do seriado são resolvidos.

Quase todos, pois ainda precisamos descobrir sobre os Observadores. Eles retornam e, de maneira surpreendente, nos dão a deixa para que a próxima temporada seja muito esperada pelos fãs.

Para mim, deu a impressão que eles poderiam concluir a história de Fringe sem citar os Observadores e eles ficarem como um mistério nunca resolvido, se resolvessem cancelar a série. Mas com a renovação para a quarta temporada, eu acredito realmente que poderão fechar a série bem amarrada, explicando a história dos Observadores e concluindo sobre a destruição dos mundos.

Antes de concluir, gostaria de falar sobre a atuação de John Noble. Todos os atores da série são muito bons, inclusive Anna Torv, que surpreendeu depois da dobradinha Olivia/Bolivía, mas John Noble deu um show. a interpretação dele entre Walter e Walternativo ganhou um presente com a atuação dele no futuro. Com parte do corpo paralisado, John conseguiu realmente passar a angustia da situação que ele se encontrava. Pelo menos uma indicação ao Emmy ele merece.

Comentem a vontade.

@peregrinc

sexta-feira, 29 de abril de 2011

The Big Bang Theory - S04E20 - The Herb Garden Germination


Mais um episódio na média de The Big Bang Theory. Engraçado e com algumas pitadas de ciência. Acho que a função de TBBT é justamente essa: dar alguns exemplos de teorias científicas para aqueles que são curiosos irem atrás, os que conhecem, "entenderem a piada" e os que não estão nem aí, se divertirem.

Neste brincamos com a teoria da incerteza de Eisenberg, com uma associação esplêndida de Sheldon, e com a teoria dos memes de Richard Dawkins, sobre a situação das fofocas. O episódio cresce com estes momentos, a presença de Amy se torna cada vez mais essencial para que os episódios não fiquem Sheldon-dependentes.

Os outros personagens estão perdendo o carisma pela atual trama. A súbita paixão de Raj por Bernadete ainda não convenceu, mas, pelo menos, gerou um momento legal, quando Howard a pede em casamento. A história de Leonard e Priya não poderia ser mais chata e o triângulo amoroso entre eles e Penny ainda não engrenou. Howard, que era um dos melhores personagens, perdeu muito com o namoro com Bernadete, que não é uma personagem interessante (qual a característica marcante dela ? o que esperar deste personagem ?).

Mesmo assim, as trolladas de Sheldon e Amy no pessoal ganham o episódio e, apesar do problema com as tramas paralelas, a trama principal ainda consegue se manter interessante. Mas não deixa (como Fringe comentado por @marinalordelo) um gostinho de "quero mais" pelo próximo episódio.

Comentem a vontade.

@peregrinc


quarta-feira, 27 de abril de 2011

Fringe S03E20 - 6:02 AM EST

Este foi o 'começo do fim' da temporada. O episódio mostrou que (diferente de outras séries) haverá link com a história inicial e o ciclo do suposto fim de um dos universos irá se fechar. É exatamente isso que nós, espectadores, esperamos de roteiristas sérios, que respeitam seu público. Ponto pra eles.

A máquina voltou em voga e ainda há expectativa de Peter resolver o problema, já que em episódios anteriores ele andou buscando informações de forma discreta sobre as peças misteriosas.

A impressão que deu foi de que Walternativo conseguiu ligar a máquina do outro universo, quando se apoderou de 50% do DNA de Peter. Aliás, eu, como bióloga, preciso fazer esse comentário: QUE TECNOLOGIA, HEIN? Se isso de fato aconteceu (não fica claro no episódio), podemos ter fé de que se 50% de um DNA faz isso, imagine os 100% que estão do lado de cá?


Outra coisa que mexe com a nossa imaginação é essa jogada do roteiro de fazer o espectador se sentir mais parte de uma realidade do que da outra. Já pararam pra pensar nisso? Por que temos mais afinidades com Walter, Olívia, Astrid do que com Walternativo, Bolívia e Bastrid (forcei agora)? Se analisarmos friamente, os personagens da realidade B tem fundamentos válidos e honestos também; e o mais importante que ninguém quer enxergar: Walter também seria frio se não tivesse uma parte do seu Lobo retirado e não tivesse sido internado no hospício. Acho interessante pensarmos um pouco nisso (é até confortante no caso de só o universo B sobreviver!)

Eu, particularmente, gosto muito dos episódios que ficam trocando as realidades. Acho empolgante. As cenas com Bolívia tentando ir a realidade A são tensas, mas o argumento dela de que Peter é o único que pode fazer Walternativo desligar a máquina não colou. Mulher é dose, pra mim ela quer ir lá contar que eles tem um filho. Esse é o propósito dela, desligar a máquina é consequência. #prontofalei

O season finale tem tudo pra ser espetacular. Espero que descobrir os mistérios de Sam Weiss seja estarrecedor e desligar (ou deixar em stand by) a máquina um fato. Difícil vai ser imaginar a reação de Peter quando souber que é pai de um filho em outra realidade.

comentem a vontade

@marinalordelo

segunda-feira, 25 de abril de 2011

O Elo Perdido

Estou revendo Mad About You. Ótima série, acho que foi a primeira sitcom que eu gostava de acompanhar, antes mesmo de Full House e Who's the Boss. Claro que isso no canal fechado, porque Alf já fazia parte de minha vida há muito tempo.

Hoje em dia, minhas séries favoritas são Seinfeld e Friends. Assisto repetidamente. Over and over again. Sei diálogos de cenas completas e mesmo assim não me canso de assistir.

Sempre soube da ligação entre Mad About You e Friends. Ursula Buffay (Lisa Kudrow) é a louca garçonete que atendia Paul (Paul Reiser) e Jamie (Helen Hunt) no Riff's, e também é irmã de Phoebe Buffay (Lisa Kudrow, novamente) de Friends e, em um episódio especial, Jamie vai até o Central Perk e encontra Phoebe, que ela confunde por Ursula.



Hoje eu tive uma surpresa incrível. Ao ver um episódio da primeira temporada de Mad About You, The Apartment, descubro que Paul tinha um apartamento que deixava alugado. Era um apartamento 5B, cujo inquilino era, nada mais, nada menos, que Cosmo Kramer (Michael Richards) ! Imagine minha surpresa quando ele apareceu, com todos os seus trejeitos característicos. Até mencionam Jerry no fim do diálogo.


Fazia tempo que não me surpreendia tanto assim, e fazendo um retrospecto, Mad About You é o elo perdido entre os seriados de comédia de maior sucesso da TV americana. Só de pensar em todos vivendo na mesma cidade, me faz imaginar o dia em que Ross pode ter esbarrado em George, ou Joey dado em cima de Elaine.

Comentem a vontade.

@peregrinc

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Fringe S03E19 LSD

Com o objetivo de buscar a consciência perdida de Olívia e transferir a de Bell para um computador, o episódio ganha vida com o tema contaminado por "Inception". A cena dos três personagens sentados e plugados juntos, imbuídos em penetrar na mente de Olívia, logo me lembrou a referência ao filme. Só faltou o amuleto.

A atuação de Anna Torv combinada à brilhante mudança no tom de voz e ao figurino científico (óculos de acetato e jaleco) mexem com a imaginação do espectador, que tenta imaginar William Bell a cada frase solfejada pela atriz.

O episódio tem uma condução emocionante, fazendo cortes entre a tensa mente de Olívia com os três infiltrados e a realidade divertida de Astrid cuidando de Broyles em alfa por ter tomado o LSD por engano. Percebemos o quanto Olive é perturbada pela sua infância e ao mesmo tempo como é esperta e inteligente ao se redimir de seus medos. A novidade do episódio em apresentar uma parte desenhada é a sacada original dos diretores de arte, extremamente atrativa e até mesmo filosófica: até onde a mente humana é capaz de emaranhar fantasia e realidade?

Fringe neste episódio nos faz sentir um misto de emoções estranhas. Nos faz sentir algo indescritível junto com Peter com a última frase de Olívia: aquele é o homem que vai me matar; acompanhado de uma mordida casual na torrada.

Impressionou de verdade.

@marinalordelo

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Fringe S03E10 - The Firefly



Ok, ok. Já está ficando clichê eu escrever sobre os episódios de Fringe. 'Alguns' podem até achar que meu nível de criticidade é baixo, ou que eu não sei avaliar muito bem os detalhes e tal. Esses 'alguns' que me desculpem: episódio FAN-TAR-DI-GO!

Acentuando as tensões 'sexuais' (por assim dizer) entre Peter e Olívia - meio Mulder e Scully, não? - porém tirando o foco do casal e
levando as lentes para a relação cuidadosa entre Peter e Walter. Deu para amolecer os corações mais durões: Walter é um pai sensível.

A história central é admirável para os fãs nerds de viagens no tempo, realidades paralelas e observadores. De forma não habitual o episódio começa mostrando nossos protagonistas, deixando para um pouco depois o caso inicial que viria a ser o pano de fundo da trama. Essa parte
eu vou confessar que achei um pouco forçada. Sinceramente? A enfermeira vê um paciente sonâmbulo falar com o suposto filho que morreu em 1985 e chama o FBI??? Me poupe. Mas logo depois, quando mostra quem é o tal paciente e que o filho dele veio de 1985, isso mesmo 1985, minha cabeça explodiu. CARAMBA. É Dr. Brown e eles estão falando de "Back to the Future". Imediatamente eu e @peregrinc percebemos a conexão (- eu acredito que proposital) com o filme mais legal de todos os tempos!!!!

Mas, o ponto alto do episódio é desvendar qual o real objetivo do observador. Testar Walter? Testar Peter? Matar Peter? Eu estava apostando que ele queria tirar Peter do caminho, afinal, ele estava desequilibrando o universo (eu achei esse argumento meio pesado também, mas, é ficção científica, né?). O bacana é perceber como as histórias vão se encaixando, se tornando parte de um curso natural... e com um desfecho interessantíssimo, cheio de novas dúvidas, não?

Ainda bem que eu não gosto de leite :D


comentem a vontade,

@marinalordelo